EJE-RN participa do XIII Encontro do Colégio de Dirigentes das Escolas Judiciárias Eleitorais (Codeje), no Pará

O evento tem o objetivo de reunir todas as EJEs do país para que os membros das escolas possam debater sobre as demandas mais relevantes dos regionais.

EJE-RN participa do XIII Encontro do Colégio de Dirigentes das Escolas Judiciárias Eleitorais (Codeje), no Pará

Representantes da Escola Judiciária Eleitoral do Rio Grande do Norte participaram do XIII Encontro do Colégio de Dirigentes das Escolas Judiciárias Eleitorais (Codeje), que acontece no Tribunal Regional Eleitoral do Pará. O evento tem o objetivo de reunir todas as EJEs do país para que os membros das escolas possam debater sobre as demandas mais relevantes dos regionais. A Diretora da EJE-RN, juíza Érika Paiva, e o Secretário da EJE-RN, Solon Almeida, estiveram representando o estado potiguar no encontro. Na ocasião, o trabalho desempenhado pela EJE-RN foi bastante elogiado, especialmente com relação ao Workshop sobre Segurança do Processo de Votação realizado no último mês no TRE-RN.

A abertura aconteceu ontem (06), com a participação de magistrados e servidores das escolas judiarias dos regionais. O Desembargador e Presidente do TRE-PA, Roberto Moura, abriu o evento e falou sobre importância da realização desta ação para Justiça Eleitoral. “Tenho certeza que este encontro ficará guardado nas boas lembranças de todos aqui presentes, não somente pela qualidade das discussões realizadas, mas também, pelo acolhimento que nossa cidade proporciona. Como diretor da EJE destaco aqui, a importância que nossa escola tem na consolidação da cidadania, seja na capacitação dos servidores ou nas ações desenvolvidas com os futuros eleitores, abordando a cidadania sempre de forma plena”, falou o desembargador.

Além das reuniões dos dirigentes e deliberação acerca das atividades, a programação conta também com uma palestra proferida pela professora e advogada Juliana Freitas. Além disso, a meta é que seja elaborada “A carta de Belém” com as demandas a serem seguidas pelas escolas e que será encaminhada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A carta é um consenso dos regionais e funciona como um alinhamento de cada eixo discutido, e que deve ser seguido por todas as escolas.

Últimas notícias postadas

Recentes