DFT

O dimensionamento da força de trabalho é uma ferramenta fundamental para se fazer afirmações concretas sobre a quantidade de trabalhadores necessários em uma organização. Determinar, seguindo metodologia científica, o quantitativo ideal de ocupantes dos vários cargos e funções tem se mostrado uma ação imprescindível ao alcance dos objetivos estratégicos da instituição, diante de um contexto de restrições orçamentárias nos órgãos públicos.

O TRE/RN, seguindo esta tendência e em observância ao que dispõe os órgãos de controle, especificamente, as Resoluções CNJ nº 219, de 06 de abril e 2016 e Resolução nº 240 de 09 de setembro de 2016, bem como em obediência ao Acórdão TCU nº 358/2017, firmou, em abril do ano de 2018, Termo de Execução Descentralizada com a Universidade Federal do Pará – TED nº 001/2018, com o objetivo de realizar o dimensionamento da força de trabalho desteRegional, com vistas a um gerenciamento adequado e a um melhor aproveitamento do capital intelectual dos servidores, como forma de assegurar o alcance dos objetivos institucionais.

O Termo de Execução Descentralizada teve início no mês de maio de 2018, com conclusão em maio de 2019.

A parceria com o Laboratório de Gestão do Comportamento – GESTCOM, da Universidade Federal do Pará – UFPA, se desenvolveu em três fases:

Fase 1: Elaboração da planilha para cálculo do dimensionamento da força de trabalho;

Fase 2: Oficinas de Dimensionamento da Força de Trabalho;

Fase 3: Cálculo do Dimensionamento da Força de Trabalho.

O trabalhou contou com a participação de servidores de todas as unidades administrativas do Tribunal, por meio de 03 oficinas realizadas ao longo do ano de 2018 e dele resultou um relatório com os números obtidos e a análise quanto à sua utilização. Com os resultados obtidos do DFT é possível direcionar processos decisórios, relativos à força de trabalho, tais como alocação de pessoal, capacitação, contratações, dentre outros quesitos de relevância à gestão de pessoas.

 

Por força da Portaria TSE nº 140/2019, o Tribunal Superior Eleitoral determinou a elaboração de um modelo quantitativo, qualitativo e automatizado para gestão de dimensionamento da força de trabalho nos Tribunais e Zonas eleitorais. Os Tribunais Regionais Eleitorais foram orientados a realizar o Dimensionamento da Força de Trabalho por meio da replicação da metodologia e do mapa de entregas levantado no Tribunal Superior Eleitoral. Para tanto, os Tribunais realizaram análise de correspondência de entregas entre os Órgãos da Justiça Eleitoral.

O Tribunal Superior Eleitoral contratou, através de Termo de Execução Descentralizada, a Universidade de Brasília – UnB, que se comprometeu a customizar o modelo a ser utilizado pela Justiça Eleitoral, assim como a entregar sistema automatizado para realização da coleta quantitativa junto a todos os Regionais Eleitorais e Tribunal Superior. A ideia do projeto é tornar o DFT uma prática contínua e padronizada em toda a Justiça Eleitoral.

O processo de coleta de dados possui 10 (dez) fases a serem seguidas pelo Tribunal Superior Eleitoral e os Regionais: Kick-off, Coleta qualitativa, Instrumentação, Coleta quantitativa, Sensibilização, Tabulação, Tratamento de dados, Análise de dados, Extração dos resultados e Apresentação dos resultados.

O Tribunal Regional Eleitoral do RN, aderiu ao projeto do Tribunal Superior Eleitoral e com a vantagem de já possuir muitos levantamentos necessários, em razão de já ter realizado previamente o seu Dimensionamento da Força de Trabalho. Desta forma, foi possível realizar dentro dos prazos estipulados: o mapeamento de entregas das unidades (fase qualitativa) e a implantação do sistema DFT.

Por limitações impostas pela pandemia não foi possível prosseguir com o projeto como um todo nas fases quantitativas. No entanto, para dar prosseguimento aos trabalhos realizou-se um projeto piloto, do qual o TRE/RN participou, realizando o ciclo experimental por completo com unidades da SGP. Com isso foi possível a geração de dashboards de resultados e testar a efetividade do sistema de DFT da Justiça Eleitoral.

No ano de 2021 o projeto prosseguiu com a formação de Grupo de Trabalho em âmbito nacional, com a participação de todos os Regionais, visando tornar o processo de dimensionamento da força de trabalho da Justiça Eleitoral uma atividade contínua e de contribuição efetiva nas decisões da gestão.

A programação para 2021 inclui:

  • Análise de novas entregas pelos Regionais, com o TSE;

  • Realização de novo ciclo de DFT no segundo semestre de 2021.